Enercom

Login
Home » Notícias » Eficiência Energética » Pesquisadores estudam criar um aparelho que recarrega com o ouvido
A+ R A-

Pesquisadores estudam criar um aparelho que recarrega com o ouvido

Enviar por E-mail Versão para impressão
Pesquisadores estudam criar um aparelho que recarrega com o ouvido 13-11-2012

Cientistas do MIT (Instituto Tecnológico de Massachusetts) desenvolveram um implante auricular que se alimenta da energia gerada pelo corpo humano. Com a pesquisa, dispositivos eletrónicos criados para reparar e auxiliar funções orgânicas poderão operar sem a necessidade de baterias externas.

O aparelho desenvolvido pelos bioengenheiros do MIT é menor do que uma moeda e gera toda a eletricidade que precisa para funcionar através da energia potencial existente nos nossos ouvidos e nos de todos os mamíferos. Testado em ratos, que têm um sistema auditivo muito semelhante ao humano, bastaram poucos segundos para o chip colher energia suficiente para começar a transmitir sinais ao cérebro do hospedeiro.

Basicamente, o aparelho possui uma conexão que penetra numa membrana, que separa essa câmara cheia de íons de influências externas. Ao funcionar como uma bateria, a câmara fornece voltagem, que é colhida pelo chip. Estabelecida a corrente, circuitos no dispositivo fazem a conversão e passam a energia para capacitores. Os cientistas montaram o aparelho com um transmissor que envia leituras da energia gerada em tempo real.

Os íons presentes no ouvido servem para converter energia eletromecânica em sinais que o cérebro consiga entender. Ao “roubar” parte dessa energia, os pesquisadores precisaram ser muito cuidadosos: se o chip tomasse uma quantidade muito grande, comprometeria o funcionamento do órgão como um todo. Se usasse pouca, seria incapaz de transmitir sinais corretamente.

No fim de muitos testes, chegou-se a uma configuração precisa que, uma vez conectada ao canal auditivo, leva apenas 40 a 240 segundos para carregar os capacitores o suficiente para que a tecnologia implantada comece a transmitir sinais. O salto é enorme em direção a um futuro de implantes eletrónicos que dispensem baterias.


TechTudo

Login