Autocarros elétricos carregam em segundos

Versão para impressão
Autocarros elétricos carregam em segundos 14-06-2013

A cidade de Genebra, na Suíça, está a preparar-se para testar uma nova tecnologia que permite carregar autocarros elétricos nas paragens em segundos.

A solução constitui-se como um importante passo para uma futura geração de transportes públicos silenciosos, flexíveis e com zero emissões de carbono.

O anúncio foi feito recentemente pelo grupo tecnológico suíço ABB, que revelou, durante o 6º Congresso da Associação Internacional de Transportes Públicos (UTIP),  em Genebra, que está a trabalhar em conjunto com a companhia de transportes públicos TGP nesta nova alternativa.

Um comunicado do grupo informa que a tecnologia inovadora de carregamento vai ser testada pela primeira vez num autocarro elétrico capaz de transportar cerca de 135 passageiros e que vai ser carregado diretamente num grupo selecionado de paragens no período de 15 segundos em que os passageiros entram e saem do veículo.
 
A fase piloto vai unir o aeroporto de Genebra ao centro internacional de exposições da cidade, o Palexpo.

"O projeto vai começar a cimentar o caminho em direção à mudança para uma infraestrutura de transportes públicos mais flexível e eficiente em termos de custos que, ao mesmo tempo, permitirá reduzir a poluição ambiental e o ruído", disse Claes Rytoft, do ABB.
 
A tecnologia TOSA (Trolleybus Optimisation Systéme Alimentation, em francês), como foi batizada, recorre a eletricidade gerada inteiramente a partir da energia hidráulica. O tempo de carregamento é tão rápido que  não interfere com o horário dos autocarros.
 
Além disso, acrescenta o grupo ABB, o sistema, que recorre a uma espécie de "braço mecânico" controlado por laser, que se liga a um recetor no autocarro para efetuar o carregamento (de 400kW por paragem), proporciona uma maior flexibilidade em termos de rotas.

Por permitir o armazenamento de energia em baterias compactas, a tecnologia permite ainda alimentar, por exemplo, o sistema de iluminação interna e externa do veículo.


EE / Boas Notícias

Tags